Sacerdotes do Terceiro Templo retomam cerimônia que não ocorria há dois mil anos

Compartilhe:

É a primeira vez que a libação de Sucot é realizada desde a derrubada do Segundo Templo

Na semana passada, judeus do mundo inteiro celebraram Sucot, a Festa dos Tabernáculos instituída no Livro de Levítico. Desde a derrubada do Segundo Templo, no ano 70, alguns dos rituais tradicionais deixaram de ocorrer em Jerusalém.

Na quinta-feira (27), cerca de 300 pessoas participaram da reconstituição da cerimônia de libação de água de Sucot. O grupo reuniu-se no Portão do Lixo, na Cidade Velha, no início da noite, descendo os degraus íngremes que levavam à Fonte de Siloé. Liderados por seis sacerdotes, comprovadamente descendentes de Arão, e ao som de música, a multidão cantou e dançou enquanto passavam pelos vestígios arqueológicos da antiga cidade de David, até a fonte que era usada nos tempos de Jesus.

Os sacerdotes – treinados para o serviço no 3º Templo – usavam vestimentas que seguiam os padrões bíblicos para uso cerimonial. Alguns tocavam longas trombetas de prata, preparadas pelo Instituto do Templo. O que ia à frente de todos carregava uma bacia de prata usado para a libação, enquanto o sumo sacerdote Baruch levava um jarro de ouro preparado este ano especialmente para o evento.

O rabino Hillel Weiss, porta-voz do Sinédrio e organizador do evento, diz que há cerca de dois mil anos não se fazia mais o antigo ritual na cidade. Os participantes subiram até uma praça perto do Monte do Templo, onde fora colocado um altar de madeira.

eguindo rigorosamente os passos descritos de como isso era feito nos dias do Segundo Templo. A mesma quantidade de água e vinho foram colocadas em dois recipientes separados. Então, foram derramadas no altar. Em seguida, recitaram a bênção sacerdotal.

Novilha Vermelha

No período do Segundo Templo, uma libação de água era feita junto com o derramamento de vinho num culto celebrado ao ar livre da manhã do sexto dia de Sucot, que termina no dia seguinte.

Embora não seja descrita no Antigo Testamento, essa libação de água faz parte da tradição oral judaica. Sucot é uma semana onde o povo de Israel recebeu a ordem para se alegrar, e a libação simbolizava essa alegria. No Templo, a cerimônia levava 15 horas, sendo parte de outra série de atividades religiosas que duravam a noite toda, até o início do serviço regular do Templo, na manhã seguinte. Estudiosos apontam o relado de João 7:2 e 37 como uma interação de Jesus com os judeus que a realizavam.

Durante o evento da semana passada, o rabino Azriel Ariel anunciou a todos o nascimento da novilha vermelha. “Este é o começo de um longo processo que, se Deus quiser, permitirá que purifiquemos todo o Israel”, disse o líder religioso.

Ele explicou que a preparação das cinzas usadas no ritual de purificação poderá ser feita em cerca de dois anos. O animal ainda é considerado um egla (bezerro) pela lei judaica. Somente então se tornará adulto e passa a ser visto como para (novilha) pronta para ser sacrificada. Com informações Breaking Israel News

Comente

© 2016 - Desenvolvido por Webmundo Soluções Interativas - Todos Direitos Reservados.